Meu Diário
24/11/2016 00h00
Bom dia, 24/11/2016

O que eu digo ao meu médico? 

"Sim, diga a seu médico que você tem dor no peito, mas diga também que sua dor é dor de tristeza, é dor de angústia.

Conte a seu médico que você tem azia, mas descubra o motivo pelo qual você, com seu gênio, aumenta a produção de ácidos no estômago.

Relate que você tem diabetes, no entanto, não se esqueça de dizer também que não está encontrando mais doçura em sua vida e que está muito difícil suportar o peso de suas frustrações.

Mencione que você sofre de enxaqueca, todavia confesse que padece com seu perfeccionismo, com a autocrítica, que é muito sensível à crítica alheia e demasiadamente ansioso.

Muitos querem se curar, mas poucos estão dispostos a neutralizar em si o ácido da calúnia, o veneno da inveja, o bacilo do pessimismo e o câncer do egoísmo. Não querem mudar de vida.

Procuram a cura de um câncer, mas se recusam a abrir mão de uma simples mágoa.

Pretendem a desobstrução das artérias coronárias, mas querem continuar com o peito fechado pelo rancor e pela agressividade.

Almejam a cura de problemas oculares, todavia não retiram dos olhos a venda do criticismo e da maledicência.

Pedem a solução para a depressão, entretanto, não abrem mão do orgulho ferido e do forte sentimento de decepção em relação a perdas experimentadas.

Suplicam auxílio para os problemas de tireóide, mas não cuidam de suas frustrações e ressentimentos, não levantam a voz para expressarem suas legítimas necessidades.

Imploram a cura de um nódulo de mama, todavia, insistem em manter bloqueada a ternura e a afetividade.

Clamam pela intercessão divina, porém permanecem surdos aos gritos de socorro que partem de pessoas muito próximas de si mesmos... o principal recado que nos chega da sabedoria divina é que está faltando mais amor e harmonia em nossa vida."

 

(José Carlos de Lucca, autor do livro "Pensamentos que ajudam")


Publicado por LuizcomZ em 24/11/2016 às 00h00
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("Você deve citar a autoria de Luiz Antonio de Campos e o site www.luizcomz.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
23/11/2016 00h25
Bom dia, 23/11/2016

Teologia da esperança

 

22 de novembro

 

Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos, pois aquele que prometeu é fiel. Hebreus 10:23

 

Jürgen era um jovem de 17 anos, em 1943, quando um bombardeio lançado pela força aérea real britânica sobre sua cidade natal, Hamburgo, quase o matou. Ele sobreviveu por um milagre. Seu amigo Gerhard Schopper, que estava a seu lado, morreu na mesma hora. Vindo de uma família secular, tendo por herói Albert Einstein, o jovem Jürgen, pela primeira vez em sua vida, clamou a Deus.

 

Pouco depois, ele foi recrutado pelo exército alemão. A carreira de combatente durou pouco. Em 1945, foi feito prisioneiro de guerra pelos soldados ingleses. Nessa condição, teve muito tempo para refletir sobre a vida e os acontecimentos. Perdeu toda a esperança na cultura alemã. Mas, ao ler a Bíblia, descobriu o Deus da espe­rança, que está presente mesmo atrás do arame farpado. "Eu não encontrei Cristo; ele me encontrou", Jürgen diria mais tarde. De volta à Alemanha, em 1948, em vez de estudar matemática, foi estudar teologia.

 

Seu primeiro livro importante, lançado em 1964, a obra que contribuiu para seu ingresso no panteão dos grandes teólogos do século 20, tinha um título que expressava sua confiança no futuro construído por Deus: Teologia da Esperança. A partir daí, o nome de Jürgen Moltmann sempre esteve associado à redescoberta da esperança como elemento importante da escatologia. Afinal, um Deus sem futuro leva a um futuro sem Deus e, portanto, a nenhum futuro.

 

Esperança! O que essa palavra significa para você? Mais que um conceito abstrato, esperança é expectativa positiva, apesar da realidade negativa. Ter esperança significa ampliar os horizontes e ver além das circunstâncias presentes. É acredi­tar que o fracasso humano não é a palavra final.

 

No Novo Testamento, a palavra esperança (elpis) tem um grande destaque. Para os autores bíblicos, esperança não significa mero desejo imaginário, mas cer­teza inabalável. A base para a esperança é o próprio Criador. O futuro não é bri­lhante por causa da capacidade do homem, mas do poder de Deus. Se você crê nesse poder transcendente, pode esperar coisas boas.

 

Esperar e crer são verbos com o mesmo DNA teológico. A esperança, assim como a fé, possibilita que você veja o invisível. Quem confia em Jesus, a personi­ficação da esperança, não precisa ter expectativa do mal (medo); pode ter expec­tativa do bem (esperança). A esperança pode ajudá-lo a encarar as circunstâncias adversas com dignidade e a ver a vida com mais otimismo. Ela sempre nos convida a crer em um futuro melhor.

 

(Um olhar para o Céu, CPB)


Publicado por LuizcomZ em 23/11/2016 às 00h25
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("Você deve citar a autoria de Luiz Antonio de Campos e o site www.luizcomz.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
22/11/2016 13h52
As casas da praia

Durante minhas caminhadas peça orla, publicarei com o titulo acima, algumas das diversas casa que literalmente são banhadas pelo mar, tal a proximidade.

A casa que ilustra a Capa deste artigo, já foi publicada outras vezes, é do meu vizinho, Geraldo. Está ali há mais de trinta e cinco anos, na época, onde hoje batem as ondas a menos de 5 metros de suas janelas, havia mais duas quadras à frente. Uma creche, escola e um campo de futebol que era o lazer do pessoal. Hoje o mar pediu o que era dele de volta.

Uma construção que contrasta com a maioria das casa que estão diante do oceano, não só pela arquitetura, mas principalmente pela vegetação que priorizou e as pedras que tanta dor de cabeça dá a quem opta por se proteger das mares.

Esta casa tem uma curiosidade. Há alguns anos, a proprietária ficou presa em regime domiciliar por 8 meses. Havia colocado pedras em frente à casa, onde hoje esta o muro, e a prefeitura exigiu que retirasse. Descumpriu a ordem e foi notificada. Na audiência, discutiu com o juiz e o desrespeitou agredindo-o com palavras inadequadas, o magistrado sentindo-se ofendido deu voz de prisão. Ficou 28 dias em cárcere na delegacia em Joinville e posteriormente o restante da pena em casa.

O muro foi construído e custou a ela a bagatela de 140 mil reais. Ao todo, multas com a prefeitura, colocação e retirada das pedras, construção do muros (tem 8 metros de alicerce e oito de altura, o custo aproximado, segundo moradores antigos, 450 mil reais.

Esta é a que fica mais afastada da praia, no entanto, devido ao terreno ser o mais baixo e ao nível do mar, esse gramado vira uma lagoa de água salgada.

Não. Não é uma casa. Mas seguramente esse não é o lugar para que nasça, cresça e seque uma árvore. Coisas que só as ondas do mar conseguem.

E assim foi a caminhada de hoje. Nos próximos dias publicarei mais algumas imagens e curiosidades de Itapoá.


Publicado por LuizcomZ em 22/11/2016 às 13h52
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("Você deve citar a autoria de Luiz Antonio de Campos e o site www.luizcomz.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
13/11/2016 07h58
O Ataque

As Formigas Revidaram

Nesta madrugada, assistindo ao Combate, nossa cachorra Kira se envolveu num fight com suas inimigas e se deu mal. Desta vez ao invés de ficar com o controle da situação e brincar jogando-as para cima e chutando as formigas, levou a pior.

Olha a cara de Kychute da esperta. Lembra, do Ki-Chute? Aquele tenis de borracha dos anos 70, veja só o tipo...

Compare e comprove.


Publicado por LuizcomZ em 13/11/2016 às 07h58
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("Você deve citar a autoria de Luiz Antonio de Campos e o site www.luizcomz.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
02/10/2016 12h52
Pronome Pessoal

Eu...

Sou mais forte quando só,

Mais forte, sinto-me só;

Onde o equilibrio, senão nas diferenças.

É necessario a luz, para saber que as trevas não existem;


Publicado por LuizcomZ em 02/10/2016 às 12h52
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("Você deve citar a autoria de Luiz Antonio de Campos e o site www.luizcomz.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 6 de 39 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]