Textos


Arvores e Homens

Arvores nascem de minúsculas sementes, lutam bravamente para emergir da escuridão em que são plantadas. Pequenas, delicadas, frágeis vão tomando forma, crescem e tornam-se fortes. Suas raízes se alastram pelo subterrâneo com a mesma força e tamanho, sustentando toda a sua grandeza e belezura. As arvores, porém, não se afastam de suas raízes, permanecem juntas e mesmo que atinja picos de elevada magnitude, vide os eucaliptos, baobás, ainda assim permanecem unidas, do contrário, secariam. Isto é obvio e natural. Serve no entanto, como analogia ao que se pretende com este texto.
Homens nascem de minúsculas sementes, lutam bravamente para emergir da clausura em que se encontram, o útero da mãe. Pequenas, delicadas, frágeis vão tomando forma, crescem e tornam-se fortes. Suas raízes se alastram pela família com a mesma força e tamanho, é o que dá sustentação a sua grandeza e belezura.
Ao contrário das arvores, o homem tem o ‘poder’ de, se quiser, afastar-se de suas raízes. Isto o torna soberano em sua decisão, olha para si e vê o quanto cresceu, prosperou e percebe que sua posição o difere das demais raízes da família. A isto chamo, soberba, egoísmo, é o virar as costas para quem o plantou, cuidou, alimentou, educou e sempre estará de portas abertas para suas inúmeras idas e vindas. Aqueles que abandonam suas raízes, que desprezam seu passado, que não valoriza aos seus, pode até ter sucesso, vencer, prosperar, porém, faltará sempre algo em sua vida. Ainda que não admita, o amor nunca estará completo.
LuizcomZ
Enviado por LuizcomZ em 14/02/2018
Alterado em 14/02/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("Você deve citar a autoria de Luiz Antonio de Campos e o site www.luizcomz.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários