Textos


A origem do nome, ELMER.
 
(ou, a Trilha do Pensamento)
 
Com seis meses de namoro, Rose e eu assistíamos a um
filme sobre um mordomo inglês que vivia num imenso
casarão com um cachorro, salvo engano um dálmata,
sendo que o nome do filme aparecia em letras destacadas
na tela: ELMER. Era o nome do mordomo e chamava
atenção pela singularidade e ao mesmo tempo pela
imponência. Olhando para aquele nome pensei sem dizer
uma palavra, - Nosso primeiro filho chamará ELMER.
Antes mesmo que eu pudesse externar meu pensamento,
a Rose levantou a cabeça em minha direção e disse,
- Olha amor, nosso primeiro filho vai chamar ELMER!
Naquele momento decidimos que nosso primeiro filho
chamar-se-ia, ELMER. Passaram-se 18 meses desse dia
e chegou o dia do casamento. 19 de setembro de 1980.
Em 3 de Novembro de 1981 nascia nosso primeiro filho.
Um menino. A pergunta é a seguinte: - Que garantia havia
de que fossemos casar? Casando, qual a garantia de os
dois serem férteis? Se férteis, qual a garantia de que seria
um menino?  Pois bem, assim foi. 21 de Março de 1986
nasce o segundo filho, outro menino, ao qual chamamos
MENDEL. Já havíamos conversados sobre a possibilidade
de fazermos uma vasectomia ou laqueadura, e sempre 
era postergado. Os médicos quando consultados, diziam 
que éramos novos e que o melhor era esperar mais tempo.
Poderíamos começar cada um uma nova vida conjugal
e isso poderia interferir numa eventual nova família. 
A verdade é que há exatos um ano e um mês após, 
nasceu o terceiro filho. ERIC, outro menino.
Quando o primogênito completou 13 anos, resolvi que
deveria fazer um adesivo comemorativo com o nome
dos 3 filhos. Comecei a juntar as letras, cruzar
as sílabas e nada acontecia. O máximo foi um EME.
Como trabalhava na 3M do Brasil na época, achei que
poderia fazer uma analogia. 3 filhos, 3M, ElmerMendel e Eric.
Estava decidido a fazer o adesivo. Antes é preciso explicar
de onde vieram os nomes do Mendel e do Eric.
Mendel Moisés Glaychman, amigo e companheiro de
baladas, fazíamos discotecas para ganhar uns trocados
e ficar próximos a música, uma paixão mútua.
Pedi ao Mendel Glaychman para batizar o Elmer.
Disse a ele que se tivesse um segundo filho o chamaria
Mendel. Não só por ele, mas, pelo Pai da Genética,
Gregor J. Mendel. O terceiro filho não estava programado
e muito menos era esperado, sobretudo para tão seguido
assim um do outro. Parece que ele resolveu que tinha que
vir e veio logo, antes que um os dois, pai ou mãe, 
impossibilitasse sua chegada através de uma operação 
de vasectomia ou laqueadura. Nascido, precisava de um
nome. Para não ficar diferente e usar um nome muito comum, 
pensamos logo num nome curto e bonito.
Eric significa guerreiro e eternamente poderoso.
Mendel, de origem hebraica, uma derivação de Emanuel.
Elmer, de origem teutônica, famoso pela guerra.
Numa noite de insônia, folhando minhas  notações sobre as várias possibilidades para o adesivo, encontrei o que esteve
sempre na minha cara. Andava, falava e brincava sempre
com os irmãos. Sim, a combinação para as letras do
adesivo esteve sempre do meu lado olhando sem
entender o que eu pretendia com aqueles rabiscos todos.
Simplesmente o nome do ELMER tem as iniciais de
todos os membros da família.

E de Elmer,
L de Luiz,
M de Mendel,
E de Eric,
R de Rose.

A conclusão que chego é que nosso pensamento é poderoso.
E mais importante, Deus escuta nossos pensamentos e
cumpre com seus propósitos para quem acredita e o elege
como seu Soberano.
A propósito, um ano depois do nascimento do Eric,
fiz vasectomia.


---em tempo---
- ... e lá se vão 41 abençoados anos!
Na foto, da esquerda para a direita: Eric, Luiz, Elmer, Mendel e Rose.
LuizcomZ
Enviado por LuizcomZ em 22/05/2010
Alterado em 22/10/2019


Comentários